Ela odiava dramaturgos, escritores e qualquer um que criticasse o capitalismo, mesma que a propria Ell’ não soubesse o que fosse o capitalismo ou o grande monstro do socialismo.
Em noites de festa, Ell’ ouvia seu pai - diretor do banco - dizer que certo grupo de homens e mulheres, formado por Pierres, Alexandres e Emanuelles pretendiam fazer uma revolução - inaceitavel! Ridículos! Coisa de quem não tem berço!- e nessas conversas que aconteciam dentro do escritorio do pai entre whiskys e charutos ouvia a palavra socialismo, como um monstro, uma coisa de quem não tem berço.
Com seus cabelos da cor da noite, seus olhos azuis e sua pele branca, quase palida Ell’, Ellizabeth Moreato não se importava de não ser inteligente, de não estar promovendo uma revolução ou não estar assinando contratos importantes para a paz. O fato de ser apenas mais um rosto jovem e bonito do Dragons aos sabados a noite e de ser noiva do futuro presidente do banco a deixava parcialmente feliz, a familia orgulhosa e o mais importante: conseguia uma posição de destaque na igreja, em festas e, futuramente com a corte Inglesa.

0 comentários:

Postar um comentário

Follow by Email

Sobre o blog

Ola,
Bem, neste blog irei reunir minhas três grandes paixoes: Literatura, musica e fotografia! Também vou colocar alguns textos que eu mesmo escrevo.
Bem, espero que vocês gostem, comentem e se inscrevam!
Beijooos! ;D

Seguidores